Princípios

Home / Princípios

 


Os princípios da Osteopatia:

A Osteopatia tem como base quatro princípios também conhecidos como Leis de Still:

Primeiro Princípio: A Estrutura Governa a Função.

A estrutura representa as diferentes partes do corpo: os ossos, músculos, fáscias, vísceras (órgãos), glândulas, pele. O ser humano é considerado como um todo único e indivisível.

A função é a atividade de cada uma dessas partes, derivada em função respiratória, cardíaca, digestiva, muscular e nervosa. Esse princípio conclui que a doença não pode desenvolver se a estrutura está em harmonia.

Segundo Princípio: A Unidade do Corpo.

O corpo humano tem a capacidade de encontrar ou reencontrar seu equilíbrio (físico, bioquímico, mental), homeostasia complexa interação de sistemas e processos envolvidos na preservação da saúde. Esse princípio conclui que os sistemas hormonal, circulatório, linfático, nervoso e musculoesquelético interagem para a preservação e recuperação da saúde.

Terceiro Princípio: A autocura.

O corpo possui todos os meios necessários para eliminar ou evitar as doenças. Quando existem obstáculos para o organismo funcionar corretamente como bloqueios articulares, alteração de condução nervosa aferência e eferência, dificuldades circulatórias que alteram a nutrição celular e eliminação dos produtos finais do metabolismo, a “doença” poderá se instalar. Esse princípio conclui que é importante remover os obstáculos para o corpo trabalhar equilibrado.

Quarto Princípio: A regra da Artéria.

O sangue é o meio de transporte de todos os elementos, assegurando uma imunidade natural sendo portanto, o papel da artéria primordial, concluindo que sua perturbação levará à deficiência na circulação.


Sobre o legado do Dr.Andrew Taylor Still.

 

Andrew Taylor Still nasceu em Jonesborough na Virgínia no dia 06 de Agosto de 1828, seu pai era médico e pastor metodista. Sua família mudou-se para o Tennessee quando Still tinha 6 anos de idade. Três anos depois seu pai foi nomeado missionário no Missouri e a família mudou-se. Still morou no Kansas quando tinha 16 anos, aos 18 anos casou-se. No ano de 1859 sua esposa faleceu deixando-o com três filhos. O contexto no qual vivia, época dos pioneiros e desbravadores do meio oeste americano o fez viver entre índios e a natureza do interior do país.

Ainda jovem Still sofria enxaquecas e náuseas, que aliviava apoiando a nuca em uma corda estendida entre duas árvores, ele espantava-se com doenças comuns na época como varíola, cólera e meningite e com os métodos utilizados pela medicina para tratar as doenças.

Iniciou estudos de medicina em Kansas City, no colégio de Médicos e Cirurgiões (Missouri). Participou da guerra de Secessão (Guerra Civil dos Estados Unidos 1961-1865) como médico cirurgião. É nesse período que Still sente a impotência de aliviar os feridos. Depois da guerra decide voltar a estudar anatomia e fisiologia para tentar compreender melhor o corpo humano, estava convicto que a absorção de medicamentos apresentava muitos inconvenientes para seus pacientes.

Um drama modificou para sempre os seus conceitos, uma epidemia de meningite  atingiu a fronteira do Missouri e matou vários de seus pacientes e seus filhos. Still decidiu se retirar e dedicou seus estudos para uma nova filosofia de trabalho. Como possuía conhecimento abrangente de anatomia, fisiologia e semiologia começou a centrar seus estudos nas relações que levam a doença, e não o processo da doença e o sintomas gerados por ela. Apoiou-se sobre as obras de Hipócrates ( 460 a.C.370 a.C), que relacionava doenças com fatores climáticos, raciais, dietéticos e do meio onde as pessoas viviam, além da análise da natureza e experiências que teve com os índios.

A filosofia que Still iniciou, centra o paciente em um contexto mais global, onde fatores externos como ambiente, cultura, relacionamentos, atividades diárias e fatores internos personalidade, características hereditárias, bioquímicas influenciam sobre as adaptações que o organismo necessitava realizar para manter a saúde.

Na época em que Still viveu, o conhecimento médico como conhecemos estava iniciando, e a cirurgia anti-séptica estava começando a ser introduzida por Lister. As teorias de Pasteur tinham 10 anos, Still também era antiescravocrata e adepto dos direitos das mulheres, sendo que quando fundou a primeira escola de Osteopatia aceitava alunas. Sua história mostra como ele foi um homem a frente de sua época.

Quando morava em Kirksville, no Missouri, a fama de Still espalhava rapidamente e pacientes vinham de toda a América o procurar. Em 1892 fundou The American School of Osteopaty em Kirksville, para ensinar seus métodos.

Através de Still e seus alunos a Osteopatia começou a difundir para todo os Estados Unidos e mundo. Um de seus alunos John Martin Littlejohn (1865-1947) era escocês e foi paciente de Still em 1897, ficou encantado com a Osteopatia e decidiu iniciar sua formação que terminou em 1900, fundou o colégio de medicina osteopática de Chicago em 1900 e a British School of Osteopathy em 1917 (Inglaterra). Vários europeus estudaram nessa escola e difundiram a Osteopatia para a França, Bélgica, Espanha, Itália e posteriormente para a América do Sul através da Escuela de Osteopatia de Madrid.

Vários alunos de Still também ajudaram a consolidar a filosofia Osteopática como: Willian Gardner Sutherland (1873-1954), formou-se em 1900, pai da Osteopatia Cranial; Harold Magoun (1898-1981), Denis Brookes, Harrison Fryette, Fred Mitchell, John Upledger (1932-2012).